"Nestas impressões sem nexo, nem desejo de nexo, narro indiferentemente a minha autobiografia sem fatos, a minha historia sem vida. São as minhas confissões, e, se nelas nada digo, é que nada tenho que dizer." Bernardo Soares

Aviso das Imagens

P.S. informo que todas as imagens aqui postadas foram retiradas da net, caso sejam de sua autoria por favor informe que darei os devidos créditos e caso não deseje a postagem a mesma será retirada.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

mentira...

Já perdoei muitas coisas na minha vida.
Traição, falta de caráter, rancores, perdas patrimoniais e etc...
Mas mentira....
Mentira é uma coisa que não sei lidar, perdoar ou esquecer.
A incompetência da Mentira propagara-se ligeiramente no mundo da utopia, combinando ilusões com fantasia numa progressão infinitamente oca de verdade.  Com um sorriso seco e melindroso engolimos o que dizemos tentando acreditar em nossa prórpia história mentirosa.
O engraçado que a verdade se torna fraca e obsoleta diante da magnitude e grandeza de uma mentira. Sim, grandeza porque a cada momento a mentira infla e esconde o que antes estava á olhos nus. A angústia que a verdade desvirtuar é melhor que a alegria de uma mentira.  Analisando bem, as duas são parentes em linha direta, parecem Cain e Abel. O filho bom e o filho mau. Cada um provocando sua reação diante de sua existência, de seus atos, e cada um pagando por estes.
Sendo tentadora, nos leva a imaginar o lado doce de sua existência. Mas é doce como fel.
Viver na fantasia de que a mentira melhora o cenário vivido. A mentira desencadeia vários outros pequenos enlaces solidificados em dúvidas. Torna-se a percursora de débitos e na qualidade de fiadora a Mentira é avalista instintiva de toda a ilusão criada pela metáfora da encenação calunia proferida, enquanto a verdade tenta manter suas existência em conta gota.
A Mentira, caluniosa e influente que há muito nasceu para dar lugar a uma certa aleivosia no mundo da Realidade. Incompetente, delinqüente, nascida de cabeça quente e extremamente útil, fútil e mesquinha. Nascida de um deslize ilícito que fornece de maneira sorrateira facilidade para disseminar falácias pela vida a fora.  A Mentira, surge do engano da Realidade que, tropeçando na bondade e boa -fé, acabou juntando-se à Ilusão.
Esquece-se da honra, dos preceitos e da humildade.
Tenta-se ser o que não é, viver o que não tem e pior ainda.... Iludir as demais pessoas.
Mentira... essa arma de destruição...
Quer viver assim?
Então viva....
Mas não me ponha em seu doce mundo ilusório e teatral.

2 comentários:

Garoto do Blog disse...

belo blog! parabens! ;]

pedro junnior disse...

Adorei essa postagem , tbem tenho estes momentos , fui compartilhar no face e nao deu kkkkkkk mais achei comico os avisos kkkkk