"Nestas impressões sem nexo, nem desejo de nexo, narro indiferentemente a minha autobiografia sem fatos, a minha historia sem vida. São as minhas confissões, e, se nelas nada digo, é que nada tenho que dizer." Bernardo Soares

Aviso das Imagens

P.S. informo que todas as imagens aqui postadas foram retiradas da net, caso sejam de sua autoria por favor informe que darei os devidos créditos e caso não deseje a postagem a mesma será retirada.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Meus defeitos, minha vida, meu clube....

“Ocupados em descobrir os defeitos alheios, esquecemo-nos de investigar os próprios. (Marques de Maricá)
"Nós estamos sempre buscando a felicidade que as pessoas podem nos oferecer,e esquecemos de que precisamos oferecer felicidade também..."

Esquecemos que erramos e tentamos colocar a culpa de nossas falhas nos atos das outras pessoas. Assim sempre afastamos aqueles que nos amam de verdade e nos “protegemos” dos sentimentos que nos provam estar vivos.
Há certas coisas não podemos fugir, esconder ou nos enganar.
Certas coisas sempre ocorrerão.
Não percebemos que certas atitudes confundem, nos fazem perder a certeza de que temos um chão sob nossos pés.
A passividade prejudica, assim como a agressividade.
Tudo dever ser equilibrado.
Se não damos atenção, se escondemos as coisas das pessoas significa não estar disposto a se entregar a estar junto.
É engraçado como queremos as coisas somente da nossa maneira, e ainda dizemos que as outras pessoas querem do modo dela, na hora dela...
Penso que somos insuportáveis, todos nós temos esse lado.
Mas será que somos capazes de aceitar nossos defeitos e perdoar os alheios?
A vida é cheia de altos e baixos.
Tudo que dizemos ou escrevemos tem várias interpretações.
A minha, a sua e de outra pessoa que tenha recebido ou ouvido as mesmas palavras.
Acabamos por escolher a solidão por medo de nos adaptar... é o ser humano não muda,
SE ADPTA.
Podemos escolher um inferno solitário ou um inferno divertido acompanhado.
Meu problema é ser intransigente por diversas vezes.

“A intransigência é cruel, acordo injusto e vazio, não expresso em palavras, poço sem fundo ou vazão, onde homens arrogantes jogam fora alma e coração.”

“Quando estamos convencidos de que alguém está errado, o que fazer? "Calar e consentir"? Liberdade de pensamento e de ação, em hipótese nenhuma, deve ser confundida com liberdade de errar, ainda mais se esse erro implicar terceiros, que poderão ser prejudicados pelo dito "eu mando, e você obedece". Ser intransigente diante do que o sufoca ou lhe é prejudicial não é feio. Mas não confunda intransigência argumentativa com intolerância e autoritarismo.

Achar que está sempre certo é imprudente, é despropositado. Há que se refletir. Tudo é questão de ação e reação - ouvir e exigir ser ouvido. Diálogo, sim, submissão, não! Se tudo assim fosse, não teríamos tantos mandos e desmandos de pessoas prepotentes que fazem parte do nosso meio, e que, por obediência, nada fazemos para mudar esse quadro de "manda quem pode, obedece quem tem juízo". Aliás, isso é um dito popular ou o decreto dos covardes para justificar a sua "transigência passiva"? “

Estou sendo covarde?
Sim bem provável...
Covarde por desistir, por abrir mão ou até mesmo aceitar as decisões que não são oriundas de mim.

Vão dizer: Pare de mentir!
Mentir? Eu não estou mentindo... Estou fugindo, correndo, aceitando, me escondendo... de o nome o que quiser.
A única coisa que tenho certeza é que amo.
De resto, vou correr, vou deixar escorrer por entre meus dedos.
Minha covardia, minha alegria, minha companhia.
Minha vontade, meu mimo, miha rebeldia.

“Temos que avaliar os prós e contras, máxime nossos defeitos, questioná-los e entender que muitas vezes é importante pedir perdão ou desculpas, se necessário.”
Se isto existe nas relações de amizade, imagine quando alcança a vida amorosa, aquela do dia-a-dia, da convivência, onde quase nos tornamos um único ser, tão próximos que ficamos.
Penso que a intransigência tem suas raízes mais profundas no orgulho, naquela exacerbação que se aconchega à arrogância, própria daqueles seres mais egoístas, que realmente amam mais a si do que ao outro par.
Acredito que o arrepender do homem, personagem de teus versos, não é sincero, no sentido de que teria percebido o quanto amava o ser que dele separou-se.”
É preciso tentar um pouco de resignação. O que não é fácil. Aceitar quase sempre é tarefa impossível. Eu mesma sou uma pessoa difícil de aceitar um não, ordens ou fazer tudo de acordo com a vontade alheia (estava fazendo isso tinha 2 meses já, tudo só quando o outro podia ou queria!).
Não conseguimos ver que a aceitação não exige que a mudança seja possível ou mesmo concebível, nem necessita que a situação seja desejada ou aprovada, que tenha o aval daqueles que a aceitam.

“De fato, a resignação normalmente é dita para ser aplicada situação é tanto ruim quanto imutável, ou quando a mudança só é possível a um grande preço ou risco. Aceitação pode implicar apenas uma falta de tentativas comportamentais visíveis para mudar, mas a palavra também é utilizada mais especificamente para um sentimento ou um estado emocional ou cognitivo teórico. Então, alguém pode decidir não agir contra uma situação e ainda assim não ter se aceitado-a.”


Brigando eternamente ,
entre a intransigência e orgulho,
a resignação e doação!
Sempre vencendo o meu lado mais patético,
o da espera e aceitação completa.
Essa sou eu, essa é minha vida, esse é meu clube!
Sou o arame da proteção e o que machuca.
Sou real, sou imperfeita...
mas mulheres imperfeitas são possíveis!

7 comentários:

Ranzinza disse...

O problemas de voces mulheres é viverem procurando pêlo em ovo, buscar o imbuscável, ler nas entrelinhas o que não foi escrito.
Vou parafrasear a Sábia avó do meu Amigo Vadinho - O Memorioso:
- Mulher com problemas e mulher sem um tanque cheio de roupas para lavar!

Gaby Anny disse...

Roberto??

- ME CHEIRA!! afff

faltando tanque de roupa!! kkkk

Robson disse...

Excelente texto, cheio de verdades, devemos ver nossos erros 1º para corrigi-los e não jogar nossa culpa no próximo.

Ranzinza disse...

HAhahahahahah...
Isso lá expressão que se use?
Se o Magrão lê uma coisa dessa estou perdido...

Selma disse...

Seu texto é tão intenso quanto o anterior, e em meio a conflito e desabafo vejo que você reconhece seus erros e me parece tenta resolvê-los. Resta porém perguntar-se: eu sou essa pessoa que escreve isso? Eu efetivamente ajo da maneira que penso ou escrevo?
De fato, resignar-se é um dom muito difícil de se obter.
Falo por mim, que vivi algo parecido com você e de tanto procurar fantasmas onde não tinha, ou complicar o simples, me vi sozinha.
Então, lute pela coisa certa, doe-se para a pessoa certa, com certeza será recompensada.
Desculpe-me querida se fui rude em algum momento, mas é que sei como isto funciona.

Beijos

Gaby Anny disse...

Selma, adorei seu comentário, tento realmente agir com aceitação. é difícil porque nem sempre conseguimos ter sangue de barata o tempo todo.
Não foi rude nunca, gosto da verdade direta.
Acho que me iludi ou me deixei ser iludida. Quero lutar, mas realmente devo perguntar se vai valer a pena.
Não gosto de fugir...
e muitas vezes por tentar resolver ajo na impulsividade e nessa hora perco muito.
Pelo menos orgulhosa não sou... e sei correr atrás do que quero ou de quem amo. Ou com certeza vou perdoar quando me procurar... mas preciso primeiro que o objeto de tamanha revolta, amor, saudade e raiva perceba que me quer!

bjs

Ranzinza disse...

Mulher é tudo panelinha mesmo...
Vcs nunca discordam?